Pesquisa personalizada

#MCC - Calmaria - Alexandre Privato

#MCC - Diego Fernandes - Sigo o Leão da Tribo de Judá

MCC - Músicos Cristãos Católicos recomenda:

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

O ''piercing'' de Jesus

Imagem: Reprodução/Internet

''O 'piercing' salvou a minha vida''

Por mais esquisito que possa parecer, existem escritos do Vaticano, em inglês, nos quais a palavra "pierce" é usada para falar da perfuração dos pregos nas mãos e nos pés de Jesus e até mesmo da lança que transpassou Seu corpo, justamente porque essa palavra, em inglês, significa cortar, furar, transpassar. Veja um exemplo:

"He tells of his cruel agony, his last words: "All is accomplished!" (Jn 19,30), and the PIERCING of his side with a spear by a Roman soldier” (Ele nas últimas palavras de sua cruel agonia disse: “Tudo está consumado” e seu peito foi transpassado pela lança do soldado romano) (cf. Remarks by of John Paul II after completing the stations of the cross, 1999, § 2).

Na tradução católica americana da Bíblia (The New American Bible), indicada pelo Vaticano, podemos encontrar em diversos trechos a palavra “pierce”, observe:

- Isaías 53, 5 But he was PIERCED for our offenses, crushed for our sins (…)
(Ele foi transpassado por nossas ofensas, triturado por nossos pecados).
- João 19,37 And again another passage says: “They will look upon him whom they have PIERCED” (E outra vez diz a escritura: “Verão aquele que transpassaram”).
-Lucas 2, 35 (and you yourself a sword will PIERCE) (...e a ti uma espada te transpassará)

Na Europa há uma camiseta divulgada por um grupo de cristãos, que se fosse distribuída no Brasil causaria estranheza a muitos. Nessa camiseta está escrito: “Body piercing saved my life” (“O ‘piercing’ salvou a minha vida”) e acompanha um desenho dos cravos nas mãos de Jesus.

Sabemos que há várias religiões pagãs que incentivam seus seguidores a furar o corpo para adorar seus deuses como os hindus e os astecas. Não dá para comparar o significado do piercing de Jesus com o desses povos, pois são absolutamente diferentes e com significado religioso distinto. Fica esquisito dizer que aqueles que usam o “adereço” se lembram do Mestre de Nazaré e de sua doutrina, ainda que estejam inseridos na cultura inglesa e conheçam a palavra “pierce” e suas derivações. Da mesma forma, é arriscado dizer que todos aqueles que usam esse “enfeite” estejam adorando aos falsos deuses.

Há alguns meses um amigo meu que acabara de colocar um piercing na língua e outro na sobrancelha me perguntou:
_E daí, Diego? Por quê você não coloca um piercing?
E eu respondi a ele falando os meus “porquês” de optar por não usar o tal “brinco de língua” ou de sobrancelha. No passado tive desejo de colocar piercing, mas desisti por causa de algumas coisas “básicas” e óbvias.

Ao buscar me informar sobre as complicações de ter um “objeto estranho” no meu corpo, acabei encontrando, na época, informações como estas da BBC, uma respeitada agência de notícias:

"Um estudo realizado nos Estados Unidos revela que cerca de 20% das pessoas que usam piercing sofrem, mais tarde, de complicações médicas. Os cientistas da Universidade Pace, em Pleasantville, em Nova York, analisaram 454 estudantes universitários da cidade entre fevereiro e maio de 2001. O uso pode levar a uma série de problemas, como sangramentos, infecções e formação de uma cicatriz.

Se o piercing for feito com material não esterilizado, os efeitos podem ser ainda piores - e há o risco de a pessoa contrair doenças graves como hepatite C, AIDS e septicemia. ‘O piercing mostrou ser popular entre estudantes universitários analisados, e há uma parcela importante deles que tem complicações médicas depois’, disse o doutor Lestes Mayers, da Universidade Pace."*

Existem muitas outras pesquisas que me mostraram as possíveis complicações de colocar um piercing na língua como a que foi realizada pelo dentista Artur Cerri, da Faculdade de Odontologia da Universidade de Santo Amaro (Unisa). Dr. Cerri e sua equipe fizeram biópsia em 60 pessoas que usavam piercing há pelo menos dois anos, e constataram que 40% apresentavam inflamação crônica acentuada na porção da língua em que ficava o adorno.

"Do total de voluntários, 12 tinham lesões em estágio mais avançado, com perda da camada de células que recobrem a língua e exposição dos tecidos mais profundos. ‘Em ambos os casos, as lesões podem desaparecer após a retirada do piercing ou podem se transformar em tumor benigno e até maligno’”, explica Cerri. "O risco de câncer aumenta mais ainda para quem fuma ou bebe", completa. O estudo, feito em colaboração com Plínio Santos, do Departamento de Patologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), detectou três casos em que os pacientes tinham lesões pré-cancerosas  em outras palavras, que poderiam virar câncer a qualquer momento. Segundo Cerri, a movimentação do adorno metálico na língua é a causa das alterações celulares que podem originar o tumor. "Como as lesões são microscópicas, pode levar muito tempo para que sejam detectáveis a olho nu", diz."**

Além de todas essas complicações é bom pensar bem antes de colocar um piercing, pois o que parece “proclamação de independência e autonomia” pode ser a revelação de uma insegurança muito grande. Às vezes nossa necessidade de se proclamar independente e quebrar as regras demonstra nossas fragilidades e incertezas diante do futuro e de tudo que está à nossa volta.

Prefiro ser eu mesmo, ainda que às vezes tenha que nadar “contra a maré” e quebrar as regras que minha turma quer me impor. Sou livre para ter opinião própria e não ser manipulado pelo “grupo”. Meu amigo optou por colocar o piercing e eu apesar de não achar bom para ele, aceitei e o respeitei. Acredito que ele também tenha entendido minha opinião, pois me ouviu, me respeitou, e nós continuamos amigos. Hoje, ele não usa nenhum tipo de brinco nem na orelha, nem na língua, muito menos na sobrancelha; conversamos sobre essa situação e rimos muito.

Não é proibido ser diferente, mas seja você mesmo, não um mero joguete nas mãos das grandes agências de publicidade que empurram “jeitos” e mais “jeitos” de ser. “Ver, julgar e agir” é uma receita famosa que funcionará com todo adolescente e jovem que quiser ser diferente de verdade e contrariar os caminhos propostos pela massa, pela “cultura de massa”.

Que o ”piercing” de Jesus, seus cravos, sua cruz, sejam sinais para lembrarmos o grande amor que Deus tem por nós! Esse amor é apaixonadamente radical!

por Diego Fernandes - Comunidade Canção Nova, publicada em 13/10/2008


Nenhum comentário:

Grupos do Google
Participe do grupo MCC - Músicos Cristãos Católicos
E-mail:
Visitar este grupo

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...